google-site-verification: googlea7d345fe9e2e3355.html
Inicio / Cachaças de A a Z / Conheça 7 cachaças fortes para alegrar a alma devota

Conheça 7 cachaças fortes para alegrar a alma devota

A Companheira, destilaria conhecida por cachaças envelhecidas por longos períodos – a exemplo da Companheira Extra Premium 8 Anos, que conquistou o título de Cachaça do Ano no mais recente Ranking Cúpula da Cachaça – se prepara para colocar no mercado uma cachaça prata, com teor alcoólico no ponto máximo permitido pela lei (48%). A marca paranaense repete um movimento feito por várias outras em anos recentes, no sentido de atender um nicho de mercado: o dos apreciadores das cachaças fortes.

É um movimento que vai na contramão do que aconteceu na primeira década do século, quando alguns produtores reduziram o teor alcoólico de suas cachaças, enquanto surgiam novas marcas com teor no mínimo legal (38%) ou próximo disso.

É claro que graduações a partir de 44%, quando já dá para dizer que se está diante de cachaças fortes, limitam o público consumidor. Destilados são bebidas por definição mais difíceis de serem aceitas por aqueles menos acostumados ao seu consumo, e quanto mais alto o teor alcoólico, maior será a barreira.

(É bom que se diga que a relação entre drinkability e teor alcoólico não é tão direta assim. Algumas cachaças fortes e mesmo aguardentes com teor acima de 48% produzidas nas regras da arte vão descer com alguma suavidade, enquanto cachaças mais contidas, porém desequilibradas, com acidez alta, provocarão aquela famosa careta.)

No entanto, as cachaças fortes têm um público pequeno, porém fiel: são geralmente bebedores mais experimentados, devotos de longa data, que já passaram por vários estágios em seu processo de aproximação e aprofundamento nos mistérios do nosso destilado.  Ou seja, cachaceiros que já treinaram suas papilas gustativas e conexões cerebrais para os rigores dos destilados mais intensos.

Para as papilas gustativas desses cachaceiros, as cachaças fortes são como alumbramentos, como banhos de luz, como a lufada de vento na montanha que traz reminiscências de ervas, especiarias, o doce da cana e muitas outras sensações.

Vamos listar aqui sete dessas maravilhas, sem nos determos demais em nenhuma delas. São apenas sugestões para quem já é fã desse estilo de cachaça ou para quem quer se iniciar nesse mundo de potência. Mas, garanto-vos, são cachaças fortes de encher os olhos devotos de lágrimas de alegria.

1000 Montes Bruta

No derramar dessa cachaça na taça, o colar de pérolas – pequenas bolhas de ar que perduram na superfície das cachaças mais fortes – se forma, enquanto os aromas de cana e ervas frescas tomam o ar. A marca mineira 1000 Montes, de Faria Lemos (MG), foi das primeiras a puxar a nova leva de cachaças fortes. A Bruta tem 48% de álcool e não passa por madeira. No terceiro gole, já revela o sabor deliciosamente adocicado temperado por um final picante. Cada gole conta uma longa e linda história.

Compre aqui a 1000 Montes Bruta

Tiziu Virgem 

A salinense Tiziu Virgem é um primor de equilíbrio, recende a pureza e a frescor. Com 47% de teor alcoólico, ela repousa por seis meses em inox, apenas para ganhar um toque de maciez, conservando intactos os aromas doces e vívidos da cana, com toques de menta no paladar. A acidez é bem contida e 0 final alongado e picante. E o preço dela é dos mais convidativos. Veja aqui.

Século XVIII

É difícil manter a objetividade jornalística ao falar da Cachaça Século XVIII, ainda mais quando o cumprimento do dever obriga a beber uma das últimas doses de um exemplar adquirido nos idos de 2010. E esse aroma de capim limão? E essa densidade na boca? E esse gosto de comida da fazenda, de canjica, de Minas, de roda d’agua, de fogão de lenha?

Com 47% de teor alcoólico, essa cachaça produzida em um engenho que alambica desde os tempos de Tiradentes em Cel. Xavier Chaves (MG), descansa em inox por até um ano antes de ser engarrafada. É uma das glórias da produção brasileira.

Compre aqui sua Século XVIII

Tapinuã Prata Extrema

Essa é a mais jovem da família das cachaças fortes. Produzida em Silva Jardim (RJ) em lotes bem limitados, é cachaça destemida em seus sabores de cana e em sua pujança. Os aromas e sabores se expressam de forma despudorada, bem ao gosto dos devotos. E está apenas nas primeiras safras. Ainda pode evoluir!

Compre aqui a Tapinuã Extrema

Sanhaçu Origem

A versão potente da marca pernambucana é a mais complexa em aromas e sabores das listadas aqui. No paladar, é uma festa de sabores – herbais, cítricos, rapadura, canela, noz moscada… A picância ao final, alongando o prazer da degustação, é pura alegria.

Cachaça de terroir pernambucano, a Sanhaçu Origem tem 47% de teor alcoólico e é armazenada em inox.

Compre aqui a Sanhaçu Origem.

Havaninha 

Como o nome indica, a Havaninha é parente da Havana. A cachaça é elaborada por membros da mesma família Santiago e segue a cartilha que vem dos anos 1940: taninos pronunciados, uma certa secura agreste, os aromas herbais exprimidos com pujança, mas sem perder a ternura.

A salinense tem 48% de teor alcoólico e é envelhecida por cinco anos em barris de bálsamo.

Compre aqui a Havaninha.

Claudionor

Armazenada por um ano em umburana, a Claudionor é uma potência, porém amansada. Mantém o frescor de uma cachaça nova, mas com um toque de ternura, da doçura típica dessa madeira brasileira. É cachaça tradicional por excelência, saborosa e escarpada, feita para bebedores que gostam de fortes emoções no sorver de um gole.

Compre aqui a Claudionor. 

Se você acha que tem alguma outra cachaça forte que não pode ficar de fora da lista, não se acanhe, comente aí embaixo.

Por Dirley Fernandes

Quer conhecer mais cachaças de primeira linha? Visite a seção Cachaças de A a Z.

Leia mais notícias e informações sobre o setor de cachaça clicando aqui.

Vista a camisa do Devotos

Vá a nossa loja e encomende a sua camiseta do Devotos da Cachaça. Assim, você vai estar nos ajudando a levar mais informação sobre cachaça para o Brasil e o mundo. Clique no link.

 

8 Comentários

  1. Opa, senti falta da Magnífica Bica do Alambique.

    De resto só preciosidade

    Acho que rola uma parte 2 dessa lista hein!

  2. Faltou o link de onde comprar a Tapinuã.

  3. Saúde, Dirley!! Ótimas dicas!! Eu gosto muito também da rainha Paraibana e da Fascinação, uma monovarietal de Salinas!

  4. Engenho Pequeno!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Devotos em seu e-mail

Pular para a barra de ferramentas Sair