fbpx
Inicio / Cachaças de A a Z / Nobre e Tellura: umburanas para todas as estações

Nobre e Tellura: umburanas para todas as estações

Por Dirley Fernandes

Se existe madeira usada para envelhecimento da cachaça que polariza os devotos essa é a umburana (se bem que o bálsamo também está longe de agradar a gregos e baianos). De um lado estão os que amam; do outro os que odeiam. No meio, aqueles que, como esse redator, torcem para que os cachaceiros que se arriscam nos segredos desse gênero de madeiras tenham sabedoria na busca do equilíbrio. Isso porque produzir cachaça com umburana é estar sempre à beira do abismo em que se encontram aquelas cachaças em que a sensação de doçura a tudo domina, destruindo a complexidade, inibindo os toques de acidez e picância que são parte da graça de toda cachaça. Dito isso, posso afiançar que as duas cachaças temas desse post atravessaram sem tropeçar os obstáculos do caminho. São elas a Nobre Umburana, paraibana de Sobrado, e a Tellura Amburana, de Campos dos Goytacazes, no Estado do Rio.

A distinção entre as cachaças começa pela grafia preferida na referência à madeira. Uma ou outra forma (amburana e umburana) estão corretas e se referem a um gênero de árvores que inclui várias espécies, as quais ocorrem da Região Amazônica até o Centro-sul do país. Muitas dessas espécies, aliás, estão em perigo de extinção e cabe perguntar o que têm feito os produtores em relação a isso.

Tanto a Nobre Umburana quanto a Tellura Amburana são cachaças assinadas por produtores que entraram no mercado nos últimos anos. A Nobre Umburana chega depois de o produtor Murilo Vilela Coelho ter lançado, em 2017, a Nobre em inox, que arrebatou corações. Já a Tellura é a terceira cachaça da linha de produção da Fazenda Abadia, do produtor Carlos Alberto Mariz, após a Jequitibá e a Prata. A cachaça paraibana é de uma casa que produz com métodos mais artesanais, enquanto a campista é de uma planta com capacidade de produção em volume expressivo.

A Nobre é lançamento e a Tellura acaba de brilhar na Expocachaça, levando para o Estado do Rio o prêmio de melhor cachaça na categoria Madeiras Brasileiras da degustação às cegas realizada pela grande feira (nesse link você pode conhecer todas as premiadas). Um feito digno de nota, sem dúvida, e que despertou a curiosidade dos devotos presentes à feira.

Nobre Umburana

A cachaça Nobre Umburana tem tons acobreados, ligeiramente mais escuros do esperado nas cachaças trabalhadas com essa madeira. O motivo são os barris de primeiro uso. O aroma é muito vivo e fresco, até expressionista, remetendo a limão e alfazema. O corpo é leve e o teor alcoólico, de 42%, contido para os padrões paraibanos.

Falamos de uma cachaça jovem, serelepe, que passou apenas três meses em barris novos depois de um descanso no inox. O fundamental: não há doçura excessiva, nem recendências ao mofo da penteadeira da vovó encontradas em algumas umburanas.

A Nobre desce macia e confortável, mas o toque decisivo é uma picância inesperada no longo final, complementando com chave de ouro a experiência. Bem faz o Engenho Nobre, que já encomendou do tanoeiro Chicão, de Campina Grande, mais barris de umburana.

Tellura Amburana

A Tellura é cachaça mais sóbria. Tem mais tempo de madeira e sabores mais complexos. No entanto, tal qual a Nobre, escapa da armadilha do excesso de dulçor. Cachaça densa, com dois anos de barris – jequitibá rosa, antes da umburana – e teor alcoólico de 40%, a Tellura tem aromas sutis, destacando-se o aniz.

É cachaça que vai crescendo à medida que a degustação avança e a presença do jequitibá fica mais exposta. O tom aveludado e o final redondo certamente foram fatores decisivos para levar os jurados da Expocachaça a avaliar positivamente essa cachaça extremamente equilibrada e bem produzida.

Ao cabo, temos duas umburanas – ou amburanas, como preferirem – com semelhanças e dessemelhanças. Ambas, passam pela prova do equilíbrio com louvor. Uma é vívida, estival – a Nobre –, enquanto a outra é acolhedora, hibernal – a Tellura.

Beba a Nobre à tarde, ao ar livre, quando a temperatura estiver mais alta e o sol brilhando. Escolha a Tellura à noite, acomodado na poltrona em frente a uma lareira, ainda que imaginária. E seja feliz em qualquer estação!

A Tellura Amburana pode ser encontrada a preços razoáveis (em torno de R$ 70) no Rei da Cachaça; a Nobre Umburana ainda está a caminho dos pontos de venda e ficará na mesma faixa de preço. O Facebook do Engenho Nobre, que também produz a Sapequinha e a Arretada, é esse aqui.

Conheça mais cachaças de primeira na seção Cachaças de A a Z do Devotos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Devotos em seu e-mail

Pular para a barra de ferramentas Sair