google-site-verification: googlea7d345fe9e2e3355.html
Inicio / Artigos / Cachaça de Goiás quer mostrar seu valor
Cachaça Do Ministro: marca goiana mais conhecida a nível nacional

Cachaça de Goiás quer mostrar seu valor

Da Redação

Goiás tem, entre suas cachaças, a excelente Do Ministro, produzida pelo ex-ministro do Tribunal de Contas da União Carlos Átila, que é conhecida em todo o país. Os produtores do estado, no entanto, querem mostrar que tem muito mais cachaça boa sendo produzida por lá. Para isso, escolheram um formato dos mais interessantes: o chamado “arranjo produtivo local”.

Associação tem logo e slogan
Associação tem logo e slogan

A APL da Cachaça de Goiás foi formalizada em 2013, com o objetivo de articular os pequenos produtores em torno de padrões de qualidade na produção e iniciativas de distribuição e divulgação unificados. Um exemplo é a participação dos produtores da APL na 15ª Convenção e Feira de Negócios para Supermercados e Pani¬ficadoras (SuperAgos) que será realizada dos dias 21 a 23, no Centro de Convenções de Goiânia, e do seminário Go To Goiás, em Brasília, no dia 28. Para isso, os produtores terão o apoio do governo estadual, através da Secretaria de Desenvolvimento. O papel do Estado dentro desse arranjo é fomentar e desenvolver a cadeia produtiva da bebida por meio da capacitação de produtores e do oferecimento de linhas de crédito.

Outra preocupação é desenvolver a capacitação técnica no estado. Para isso, o Instituto Tecnológico de Goiás, em Anápolis, tem papel estratégico. No local, deverá ser instalado em breve o Laboratório de Cachaça de Alambique. Estuda-se ainda a criação de cursos profissionais voltados para a cadeia produtiva do setor, provavelmente também em Anápolis.

Cachaça Do Ministro: marca goiana mais conhecida a nível nacional
Cachaça Do Ministro: marca goiana mais conhecida a nível nacional

Um  obstáculo ainda poderoso a ser enfrentado pela cachaça de Goiás é o da formalização. O estado conta com cerca de 1.500 produtores do destilado, mas menos de duas dezenas deles são totalmente legalizados. E, muitas vezes, esses produtores competem com cachaças clandestinas, muitas vezes até vendidas em garrafas pet a preços só possíveis de praticar por aqueles que não se dispõem a arcar com tributos. O Sebrae tem auxiliado produtores nos sempre lentos processos de formalização junto aos órgãos dos três níveis de governo. A iniciativa também é capitaneada pela Associação Goiana dos Produtores de Cachaça de Alambique (Agopcal), que reúne 12 produtores de cachaças como a Mercedes (prata e envelhecida em pau-brasil) e a Castelo Branco (produzida desde a década de 1940 e envelhecida em amendoim e carvalho).

As iniciativas dos goianos para ocupar espaço e aprimorar a qualidade de sua produção são extremamente salutares para um setor que tem na variedade de seus produtos um de seus mais importantes diferenciais.

 

 

 

 

Um comentário

  1. Existe alguma cachaça que use a marca “cachaça de goiás”?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Devotos em seu e-mail

Pular para a barra de ferramentas Sair