google-site-verification: googlea7d345fe9e2e3355.html
Inicio / Destaques / IFNM, em Salinas, cria pós de Tecnologia em Produção de Cachaça

IFNM, em Salinas, cria pós de Tecnologia em Produção de Cachaça

Após ter suspendido, no primeiro semestre do ano passado, as matrículas para o curso de graduação de Tecnologia em Produção de Cachaça, o Instituto Federal do Norte de Minas (IFNM), com sede em Salinas (MG), acaba de aprovar a criação de um curso de Tecnologia em Produção de Cachaça, só que agora em nível de pós-graduação lato sensu – a ideia que tinha sido adiantada ao Devotos pelo antigo coordenador do curso, Edilson Jardim Viana (nesse post).

O novo curso, segundo o atual coordenador, professor Alexandre Santos de Souza, começa a funcionar no próximo ano. “O curso será semipresencial, com aulas à distância e encontros em Salinas”, diz o engenheiro de Alimentos. A grade curricular foi fechada em reunião na última quarta-feira.

O curso de Tecnologia em Produção de Cachaça, que deverá ser o primeiro em nível de pós-graduação em Produção de Cachaça, terá carga horária de 440 horas/aula e estará aberto a profissionais de todas as áreas, em especial os graduados em áreas afins.

A duração do curso será de três semestres. Ao final de cada um dos dois primeiros semestres, haverá um período de aulas presenciais, para o aprendizado prático, na área da Instituto, em Salinas. O terceiro semestre será reservado para o desenvolvimento da monografia. O curso é inteiramente gratuito.

A ideia é que a primeira turma tenha entre 20 e 30 alunos. A expectativa é que o novo formato atraia profissionais de diferentes estados. A graduação vinha sofrendo, nos últimos anos, com a necessidade de os alunos permanecerem por um período longo em Salinas. Com isso, vinha atraindo poucos interessados. “A gente abria 30 vagas e apareciam dez pessoas”, lembra Alexandre.

Instalações do IFNM, em Salinas (MG)

As disciplinas da grade curricular do novo curso serão divididas em dois módulos. O primeiro – Cana de Açúcar – inclui Fermentação, Destilação, Envelhecimento e Padronização. No segundo módulo, estarão Análise físico-química, Análise sensorial, Projetos e instalações e Derivados da cana de açúcar.

Entre as matérias optativas estarão Desenvolvimento de novos projetos, Estatística básica, Biotecnologia e Mixologia.

Como se percebe, o currículo é totalmente focado na prática profissional. “Nós temos uma estrutura e um curso excelentes. Esperamos que os produtores incentivem seus funcionários técnicos a se matricularem conosco”, diz Alexandre.

Quanto ao curso de graduação, o professor diz que uma definição sobre a retomada ficou para o próximo ano e que há propostas em estudo para a adoção do método semipresencial.

Mais informações sobre o curso de Tecnologia em Produção de Cachaça nesse post.

Por Dirley Fernandes

2 Comentários

  1. José Francisco Tronco

    Tenho interesse. Sou do centro do Rio Grande do Sul

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Devotos em seu e-mail

Pular para a barra de ferramentas Sair