Inicio / Manoel Agostinho Lima Novo / 51 Assinatura chega para chacoalhar a mente de devotos e bartenders: Coluna do Agostinho

51 Assinatura chega para chacoalhar a mente de devotos e bartenders: Coluna do Agostinho

assinatura 51 (2)

Por Manoel Agostinho Lima Novo

Enquanto alguns especialistas e gente do mercado ficam discutindo  sobre as diferenças entre cachaça de coluna e cachaça de alambique sem chegar a lugar nenhum, as movimentações no nosso setor não param, como a chegada da 51 Assinatura mais uma vez comprova.

Cá pra nós, muito desse debate é uma pura perda de tempo, pois, se estiver seguindo a IN 13, então é cachaça e pronto. Existem as maravilhosas, as medíocres as desprezíveis e isso independe do processo de produção.

Alguns chegam ao absurdo de chamarem cachaça de coluna de aguardente, vejam só. Claro que é aguardente, pois todas as cachaças o são, ora bolas!

Uma grande sacada dos pequenos produtores para alavancar a sua rentabilidade sempre foi produzir, em paralelo com a cachaça, outros produtos, como gin, licores e aguardentes compostas.

A partir disso, a Cia. Müller de Bebidas, que detém a marca ‘51’, teve uma grande sacada, lançou a linha 51 Assinatura.

Assim, aqueles homenzinhos que torciam o nariz quando ouvia ‘51’ podem procurar o cirurgião plástico para trazer o nariz para o lugar, pois as Assinaturas têm a qualidade que merece o título. São simplesmente especiais.

As variedades da 51 Assinatura vieram para dar um nó na cabeça dos bartenders, que antes se utilizavam de produtos importados para abrilhantar seus drinks e agora têm tudo para fazer vários coquetéis, usando sua criatividade,  mas todos vestidos de verde e amarelo.

A linha é composta da Smoked (com malte e extrato de carvalho); Jambu, que veio trazer formalidade para a bebida conhecida de muitos; a Amaro  (com angélica, cacau, artemísia e amburana) e a Licor (com carvalho e caramelo).

O lançamento ocorreu no Museu de Arte Moderna de São Paulo no último dia 1º de outubro e vários amigos da Cúpula da Cachaça, entre outras figuras do mundo da cachaça, estavam lá para testemunhar o brilho da festa e atestar a qualidade da bebida.

Integrantes da Cúpula da Cahcaça com time da 51 Assinatura
Integrantes da Cúpula da Cahcaça com time da 51 Assinatura

Uma grande sacada!

Veio para mudar o conceito de quem não valoriza a cachaça de coluna.

Que venham as 51 Assinatura para os bares do Rio de Janeiro e do Brasil…

Leia outras Colunas do Agostinho

4 Comentários

  1. Lixo! E no paladar há sim diferença entre coluna e alambique, porém sutil. Assim como no uso do fermento, a qual prefiro as que são fermentadas, mas agora raras, com fubá, à moda antiga e em todo o processo da feitura da nossa pinga. Sou Bartender, e um bom coquetel, principalmente a caipirinha, se feita com uma cachaça direto da fonte e de alambique, em comparação às 51s da vida, é inigualável. E há outros fatores que também influem. Absurdo, porém óbvio, o uso do Jambu, mas por orgulho, minha preferida é a original. Coisas do mercado. Assim como a Ambev está desesperada com o avanço das cervejas artesanais e chegou ao cúmulo de criar uma Skol “lupulada” (Lixo!) a Muller segue o mesmo caminho. Especializei-me em vinhos e cervejas artesanais, sou homebrewer, e essas sutilezas são evidentes, devido não somente as características físico-químicas, mas de inúmeros fatores que vão do campo ao after taste, quiçá além. Abçs

  2. Obrigado pela presença Ilustre de todos!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

giay nam depgiay luoi namgiay nam cong sogiay cao got nugiay the thao nu

Devotos em seu e-mail