Inicio / Destaques / Coluna do Agostinho – Como foi a I Festa da Cachaça do Rio de Janeiro

Coluna do Agostinho – Como foi a I Festa da Cachaça do Rio de Janeiro

Por Manoel Agostinho Lima Novo

Estou de retorno para contar sobre a Festa da Cachaça do Rio de Janeiro…

Amigos admiradores da branquinha, estive distante dos Devotos da Cachaça porque alguns eventos se acumularam e não deu tempo de compartilhar minhas peripécias.

Foram em sequência a Expocachaça, o Festival em Presidente Bernardes, Salinas, Piraí, Paraty, Joinville, Luiz Alves e vários outros lugares e encontros…

Bom, mas vamos ao que interessa! Dia 13/09 foi o dia dela, da nossa cachacinha de todo dia, graças a Dona Luísa de Gusmão. Cabra boa essa regente! Se viesse candidata este ano ganharia no primeiro turno.

Festas para cellebrar o Dia da Cachaça pipocaram pelo Brasil inteiro, comprovando como se espalha a cultura do nosso destilado.

Como ainda não consigo ser onipresente, escolhi participar da grande e maravilhosa 1ª Festa da Cachaça do Rio de Janeiro, organizada por um grande grupo de militantes da cachaça.

A festa se concretizou graças à união do Clube Carioca da Cachaça, na figura deste que vos fala e da diretora Letícia Fraga Sias, da Confraria Mulheres da Cachaça – seccional Rio de Janeiro, na figura de suas coordenadoras Claudia Cappelli e Maria de Fátima, e a conhecidíssima Confraria de Cachaça Copo Furado, na figura de suas presidente e vice: Rosane Ferreira e Emília Mattos, respectivamente.

Festa da Cachaça do Rio de JaneiroA grande festa contou ainda com várias participações e apoiadores como a Confraria do Vinil Etílico, a Associação Saco e Maca, a Cúpula da Cachaça, o Rei da Cachaça, a Gaspar Cachaçaria, os Velhos e Curtidos, o Cachasamba e o Devotos da Cachaça.

O evento tomou forma dentro do Galeto Sat’s, filial de Botafogo, onde Serginho e Elaine Rabello, que comandam magistralmente o local, receberam os mais de 120 festeiros com o mesmo sorriso, muita música, e maravilhosas cachaças para degustação e venda.

Estavam por lá a Pardin, a Unna, a Tiziu, a Itajoana (estreante), a Vieira e Castro, a Tapinuã dos Reis, a Tellura e a De La Vega, além do acervo de cachaças dos organizadores, composto pelas cachaças 6 Annas, Magnífica de Faria, Gatinha, Heats Brazil, Authoral, Engenho da Cana, Germana, Bem me Quer, Vale do Ouro, Santo Pecado, Cállida, Caialua e Ipamerina, entre outras. O grande problema da festa foi que em alguma hora ela teve que acabar e vai demorar um ano para ter a 2ª Festa da Cachaça no Rio de Janeiro.

Quem não foi à 1ª Festa da Cachaça do Rio de Janeiro já deve estar arrependido. E bem feito! Vai ter que esperar um ano só de castigo.

Prometo agora ser mais assíduo com vocês. Vem aí a Festa da Cachaça, em Curitiba, a famosa Cacharitiba, juntamente com o Encontro das Confrarias. Evento imperdível também. Por conta, já até encomendei no Mercado Livre um fígado novo.

Mais Colunas do Agostinho, leia aqui.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

giay nam depgiay luoi namgiay nam cong sogiay cao got nugiay the thao nu

Devotos em seu e-mail