Inicio / Direto do Alambique / Cachaça do Espírito Santo amplia associação de produtores e cria confraria

Cachaça do Espírito Santo amplia associação de produtores e cria confraria

Por Dirley Fernandes

A boa produção de cachaça do Espírito Santo não é novidade. Pelo contrário! Há uma tradição mais do que centenária em torno do destilado nacional por aquelas bandas, que vai do litoral e sobe a serra, inclusive com os descendentes de italianos e alemães. Uma das marcas do estado, por exemplo, a Thimotina, de Afonso Cláudio, foi fundada em 1915.

Se formos falar em qualidade, os prêmios conquistados nos dois primeiros Rankings Cúpula da Cachaça pela Reserva do Gerente (quarta posição geral no I; segunda no II) e pela Princesa Isabel Aquarela (Melhor Cachaça Branca no terceiro e mais recente) são comprovações claras do alto nível alcançado pela produção local.

E não podemos deixar de citar o padrão de inovação permanente estabelecido pela Santa Terezinha, com seus produtos diferenciados e iniciativas de construção de marca exemplares.

Mas ainda falta nacionalizar, de fato, a penetração e o  prestígio que as marvadas daquela terra já possuem entre os devotos mais antenados. Pois a cachaça do Espírito Santo deu dois novos passos em direção ao futuro na semana passada: a ampliação da Aprocana e a estruturação da Confraria Capixaba da Cachaça.

A Aprocana

A ampliação da Aprocana, que vem sendo costurada há algum tempo, foi mais um desdobramento de um trabalho de articulação que tem dado algumas vitórias aos produtores capixabas. A maior delas foi a redução, por parte do governo estadual, das alíquotas de ICMS cobrados sobre a cachaça e o vinho artesanal produzidos no estado para os exercícios de 2018 e 2019, que caiu de 25% para 12%, em 2018, e 17%, em 2019. “O Espírito Santo era o estado que mais tributava a cachaça. Pagávamos acima de 70%, hoje estamos abaixo de 30%”, comemora Adão Celia, da Cachaça Princesa Isabel.

Princesa Isabel: na Confraria Copo Furado

A queda na tributação se deu com a adesão maciça dos produtores de cachaça do Espírito Santo ao Simples Nacional. Das pouco mais de 80 empresas produtroras de cachaça legalizadas no estado, mais de 60 estão dentro do regime tributário federal simplificado.

Os produtores do norte do estado tem a representação da Aprocana (Associação dos Produtores de Cachaça Artesanal do Norte do Espírito Santo), que sempre promoveu festivais locais, reuniões de trabalho e outras atividades. Em um encontro entre produtores de cachaça, além do Sindibebidas e de representantes de organismos de Estado na Fazenda Tupã, em Linhares (ES), na semana passada, chegou-se avum acordo para tornar a Aprocana a entidade representativa dos produtores de todo o Estado do Espírito Santo, de Apiacá a Ecoporanga, de Bom Jesus do Norte a Itaúnas e de Baixo Guandu a Vila Velha.

A nova configuração da Aprocana espera contar com pelo menos 50 produtores desde seu início. “Somos um estado relativamente pequeno; Vitória fica no centro dele. Temos facilidade de nos encontrar e boa articulação com governos municipais e estadual, além do Sindibebidas. Precisamos usar essas vantagens para dar impulso à nossa organização e desenvolver o setor”, diz Celia.santa-terezinha

A Confraria Capixaba

A outra boa notícia é que os devotos locais do destilado nacional em breve terão um encontro regular de referência para troca de ideias e prazerosas degustações. Isso porque, no próximo 13 de setembro, Dia Nacional da Cachaça, será lançada a Confraria Capixaba da Cachaça, em evento no Bar do Fritz.

Puxados por produtores como Ralphe Nolasco (Dose Clássica), Adwalter Menegatti (Santa Terezinha) e Solange Netto (6 Annas), os confrades querem criar um espaço para que os apreciadores locais possam degustar as cachaças locais e de todos os estados, com encontros regulares, com palestras e muita confraternização.

Por conta de iniciativas com essas, o Espírito Santo vai se tornando, a cada dia, um novo polo de difusão e desenvolvimento do destilado nacional brasileiro.

Leia mais sobre o Ranking Cúpula da Cachaça aqui.

Alambique da Cachaça Suprema, em São Roque do Canaã, capital da cachaça capixaba
Alambique da Cachaça Suprema, em São Roque do Canaã, capital da cachaça capixaba

 

3 Comentários

  1. Muito boa a matéria e a realidade da cachaça capixaba . Viva a caxaça capixaba

  2. Sensacional, ver a Cachaça sendo difundida Brasil afora. É lindo ver como a união pode fazer uma diferença tão positiva no mundo da cachaça! Parabéns aos Capixabas!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

giay nam depgiay luoi namgiay nam cong sogiay cao got nugiay the thao nu

Devotos em seu e-mail