Inicio / Artigos / A lenda maluca sobre a origem da cachaça que virou praga virtual

A lenda maluca sobre a origem da cachaça que virou praga virtual

Por Dirley Fernandes

Áudios e vídeos de WhatssApp carregando informações falsas são uma praga do mundo digital. Eles estão sempre a dois cliques da redistribuição rápida e desenfreada. Por isso, viralizam mais do que peste bubônica e febre amarela. As pragas desaparecem e reaparecem de tempos em tempos na velocidade da luz.

Um dos áudios mais irritantes do planeta, com informações grotescas sobre a origem da cachaça, está no momento em plena recidiva e foi repassada à equipe do Devotos algumas vezes por dia na semana passada. É uma pletora de desinformação travestida em lenda que não ajuda em nada no conhecimento e na valorização do nosso destilado. Basicamente, é uma mentira histórica e como tal deve ser tratada.

O famigerado áudio conta o seguinte sobre a origem da cachaça:

Um dia, cansados de tanto mexer o melado e com serviços ainda por terminar, os escravos simplesmente pararam e o melado desandou. O que fazer agora? A saída que encontraram foi guardar o melado longe das vistas do feitor. No dia seguinte, encontraram o melado azedo fermentado. Não pensaram duas vezes e misturaram o tal melado azedo com o novo e levaram ao fogo. Resultado: o melado antigo era álcool que foi evaporando e formou no teto do engenho umas goteiras que pingaram constantemente. Era cachaça já formada que pingava. Daí o nome pinga”.

O maior dos pecados desse trecho é a noção de que a cachaça foi uma espécie de filha do acaso, o que está a léguas de distância da verdade. De forma muito resumida, ou o post se alongaria desmesuradamente, é preciso lembrar que a cachaça é um produto de fabricação complexa. É fermentado e posteriormente destilado e jamais pingaria espontaneamente de nenhum teto.

engenho de cana
Henry Koster, 1816

A origem da cachaça foi o resultado de um processo histórico. A fermentação era dominada tanto pelos portugueses, com o vinho, quanto pelos índios, com o cauim. Esses dois povos eram a base do país que se formava em meados do século XVI, no qual a cachaça nasceu (os primeiros negros ainda estavam chegando; no século XVI, foram apenas 29.275, contra 784.457 no século seguinte, segundo o Trans-Atlantic Slave Trade Database).

Os índios, claro, não conheciam a destilação, processo que já era utilizado na Antiguidade, mas que foi disseminado a partir da invenção do alambique moderno, atribuída a Jabir ibn Hayyan (Geber), nascido no atual Irã do século VIII.

É bom lembrar que os árabes, nesse momento histórico, eram tecnologicamente muito mais desenvolvidos que os europeus. E também que dominavam a Península Ibérica, onde introduziram os alambiques que, ali pelo século XVI, quando os árabes já tinham partido de Portugal, eram usados na ainda incipiente indústria da bagaceira, a aguardente portuguesa.

Assim, portugueses que sabiam destilar e índios que fermentavam uma ampla variedade de vegetais logo aplicaram seus conhecimentos à matéria-prima que era o próprio motivo de existência daquela sociedade que se organizava: a cana-de-açúcar.

Em que ponto do litoral isso aconteceu primeiro? Não se pode ainda ter certeza, como sói acontecer com muitos acontecimentos históricos. Mas a produção comercial mais antiga que se tem registro segue sendo a do Engenho dos Erasmos, na ilha de São Vicente, em território hoje pertencente ao município de Santos. Fundado em 1532 por Martim Afonso, o engenho foi vendido, em 1540, para o banqueiro holandês Erasmo Schetz. Em 1565, o filho e herdeiro dele, Conrart, enviou farto material de ferraria para o Brasil, incluindo caldeirões e tachos de ferro e de cobre. Nesse momento, toda a região já sofria com a concorrência do açúcar nordestino e então partiu para a especialização em outros produtos: a rapadura e a aguardente, que logo se tornariam as suas principais fontes de recursos, sendo largamente usadas no comércio de escravos com Angola.

Portanto, não teve nenhum escravo tentando enganar o feitor, como nessa lenda que reforça estereótipos contra a raça negra, nem cachaça pingando do teto, como se o brasileiro não fosse capaz de criar um produto complexo por obra de seu próprio engenho.

Franz Post, séc. XVII
Franz Post, séc. XVII

Continuando o áudio sobre a origem da cachaça, temos essa barbaridade:

Quando a pinga batia nas suas costas marcadas com as chibatadas dos feitores, doía muito. Daí o nome aguardente…

Meu Deus! O termo ardente que compõe o vocábulo aguardente não se refere a dor, mas a vida, a pulsação. Só precisa ir ao dicionário: Ardente: “Que é muito intenso, vivo, impetuoso” (Aulete).

O termo aguardente não nasceu de nenhuma dor das muitas que sofreram os negros escravizados no Brasil. Aguardente é a derivação em português do termo latino aqua vitae (água da vida), do qual se derivaram, entre outros, aquavit (destilado de batatas escandinavo) e eau de vie (destilados de frutas francês e nome primervo do armagnac).

O termo “pinga” é um caso clássico de antonomásia, quando se substitui o nome da coisa (aguardente) por uma característica dela (o fato de pingar do alambique ou dos barriletes usados nas vendas). Note-se ainda que era usado no Brasil Colonial o termo ‘pingante’ para designar as pessoas mais pobres e que formavam o grande contingente dos consumidores de cachaça. Ainda hoje, o termo pinga é identificado com as cachaças mais baratas, havendo até desavisados que fazem distinção entre o que seja pinga e o que seja cachaça, amaldiçoando o primeiro termo, de forma desmerecida.

Por fim, o tal áudio, como acontece constantemente, atribui a autoria de sua pletora de absurdos a uma fonte possuidora de autoridade, na tentativa de legitimar-se:

“História contada no Museu do Homem do Nordeste. Não basta beber, tem que conhecer”.

Ora, esse devoto esteve na respeitada instituição, no bairro da Casa Forte, no Recife. Lá estão velhos equipamentos de engenhos, como os pães de açúcar, nos quais o ‘ouro branco’ era purgado, e há algumas referências à cachaça. Mas nada nem de longe que se assemelhe com as bobagens do áudio.

Portanto, como vale para qualquer tema, é preciso ter muito cuidado com o que se recebe e se envia pelas redes sociais. Nem sempre essas estórias são criadas de forma inocente. E muitas vezes são prejudiciais, alimentando, como no caso dessa que versa sobre a origem da cachaça, preconceitos e imagens negativas. Buscar a verdade é sempre melhor.

Quer ler mais sobre a História da Cachaça? Conheça a origem histórica do Dia Nacional da Cachaça.

 

6 Comentários

  1. Ola Dirley, muito interessante a sua matéria.
    É verdade que Aqua vitae foi a origem do aquavit e da eau de vie..Na Italia se toma também ainda “ acquavite”
    Foi também traduzido literalmente em gaélico “Uisce beatha” o que deu a palavra Whiskey e depois whisky
    Também Vodka vem de Voda que é água nos idiomas eslavos

    Agora, água ardente me parece um pouco diferente
    Ardente vem do latim ardere que significa queimar . Aguardente (ou aguardiente em espanhol) significa em princípio água que queima, por causa do álcool. Eu concordo que não significa água que causa dor, mas não tenho certeza que tenha que ver com água da vida…Mas posso errar!
    Um abraço
    Francesco Taddonio
    Cachaça Magnifica de Faria

    • Dirley Fernandes

      Caro Francesco, Não tenha dúvidas de que o ardente aí vem desse campo semântico do “vivo”. Veja uma das definições do Houaiss para ‘ardente’: “cheio de ardor, de entusiasmo; aceso, apaixonado, intenso, vivo”. É a isso que se refere o ardente na composição aguardente. Mas é claro que esse sentido figurado é uma derivação do sentido original (queimar), numa analogia bem recorrente entre a chama e a vida.

    • Também já pesquisei muito sobre o tema, e confesso que acho até engraçado essas lendas e mitos sobre a origem da cachaça, mas em todas as fontes que pesquisei a origem do termo aguardente está ligada a “água da vida”, e não da tradução literal de água que “arde” no sentido de dor.
      Parabéns pela matéria, em um veiculo de informação como este, ajuda a valorizar e engrandecer a nossa querida bebida!

  2. Luiza Almeida Braga

    Muito interessante Dirley , pois eu já havia ouvido a versão da origem da pinga, muitas vezes , exatamente como a q vc rechaçou . Fico agradecida por não continuar a reproduzir uma “potoca” !
    Abs , Luiza Almeida Braga

  3. Exclente matéria… compartilhasmo
    #aguadearcanjo

  4. Exclente matéria… compartilhamos!
    #aguadearcanjo

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

giay nam depgiay luoi namgiay nam cong sogiay cao got nugiay the thao nu

Devotos em seu e-mail