Inicio / Destaques / Viagem pelos alambiques mineiros V: Souza Paiol, Bem Me Quer e Frazão

Viagem pelos alambiques mineiros V: Souza Paiol, Bem Me Quer e Frazão

Por Manoel Agostinho Lima Novo

Pessoal eu disse, na coluna anterior, que iria falar de Pitangui (MG). Pois bem, chegou a hora dessa cidade no nosso tour pelos alambiques mineiros.

Estávamos vindo de Onça do Pitangui, e sei que todo mundo ficou preocupado com uma onça de verdade, daquelas de orelha, dentes afiados e pele pintada… Nada disso, a denominação ‘onça’ veio de um fato histórico: no local, ainda no século XVIII, no auge da mineração, foi encontrada uma pepita de ouro de uma “onça” de peso (32 gramas). (Leia aqui a coluna da semana passada)

Esclarecido o termo onça, vamos para Pintagui.

Chegamos à cidade à noite, sem a onça, óbvio, mas com muita fome. Está com fome, vai a um restaurante e janta… Impossível! Não tinha restaurante aberto na cidade àquela hora, 19 horas. Disseram-nos que os garçons fecham as casas às 18 horas para poder jantar com a família. A opção que nos sobrou foi uma pizzaria, lotada por sinal e meio caidinha. Mas tinha cachaça e, sabe qual era? Aquela “medonha de boa” a que o nosso amigo de Onça se referiu na coluna anterior.

No dia seguinte, começamos nosso tour pelos alambiques mineiros indo à Cachaça Souza Paiol, produzida na cidade, pelo mesmo produtor dos cigarros de palha de mesmo nome. Aliás, visitamos a fábrica de cigarros. Caiu bem uma pitada num palha e uma branquinha na goela… Harmonizou!

A Souza Paiol produz cachaça pura (inox), amburana e carvalho. Visitada a fábrica, partimos para mais uma.

CACHAÇA BEM ME QUER

cachaça bem me quer

Agora, foi a vez da Cachaça Bem Me Quer, produzida numa linda fazenda, cercada de árvores frutíferas, com um cafezinho e bolo de milho para nos receber. Um bolo, aliás, que duvido que alguém consiga imitar, elaborado pela secretária-cozinheira dos donos da fazenda, que cuidam com capricho da propriedade. Ô, meu! Fala logo o nome dos produtores!, dirão os amigos paulistanos.

Pois bem, cuidam com todo carinho da fazenda o médico José Otávio de Carvalho Lopes, atual presidente da Anpaq, e sua esposa, Rosana Romano, que atualmente é presidente da Confraria Mulheres da Cachaça (Convida).

Aliás, o sobrenome Romano deu origem à princesinha do alambique, a Cachaça Santa Romana, uma bela e romântica homenagem de Zé Otavio à esposa.

Degustadas as cachaças Bem me Quer (prata; ouro, que é um blend de bálsamo e carvalho francês; e amburana) e o café com broa de milho, partimos para a última missão naquela cidade. Afinal, iríamos conhecer o produtor da “medonha de boa” que o caipira de Onça falou, lembram?

Andamos oito quilômetros em asfalto e vários quilômetros em barro, poeira e tudo o mais, para então adentrar numa linda fazenda, repleta de campos de milho, cana e café, mais capim, gado e tudo o que uma bela e produtiva fazenda tem que ter.

Fazenda Santiago: lar da Cachaça Frazão
Fazenda Santiago: lar da Cachaça Frazão

Final de linha. Havíamos chegado ao alambique da Cachaça Frazão, onde tudo é meticulosamente cuidado pela Poliana Miranda e seu marido. O alambique é todo moderno, bem executado, com bom aproveitamento de cana e dos subprodutos. Valeu a pena comer poeira para chegar por lá!

Saimos da fazenda rumo a Divinópolis, onde a Deusa Rodrigues nos esperava para visitar a Fábrica de Alambiques D&R.

Nosso destino, depois de Divinópolis, era Oliveiras, Coronel Xavier Chaves e Tiradentes… muitos alambiques mineiros no nosso horizonte. Mas isto tudo fica pra próxima. Depois daquela poeira toda, merecemos bom banho, boa cachaça e bom descanso. Para a semana, a viagem continua.

Leia aqui as paradas anteriores do tour de Agostinho pelos alambique mineiros.

Saiba o que é a Anpaq nesse post.

3 Comentários

  1. Amigo Agostinho!

    Ficamos muito honrados com a visita de vocês ao Alambique da Cachaça Bem me Quer e Santa Romana.
    Gostamos muito da matéria e esperamos o retorno de vocês como nossos hóspedes para uma prosa onde os mineiros mais gostam de receber: a cozinha e dessa vez para degustar as Cachaças Premium do Alambique Santíssima.

    Um grande abraço dos amigos

    José Otávio e Rosana

  2. Essa história de que Onça tem esse nome devido ao peso da pepita foi inventada por Agripa Vasconcelos em seu romance Sinhá Braba. Agripa nunca foi historiador e se utiliza da licença poética para distorcer a história. Onça deve o seu nome ao córrego que corta a cidade que era chamado pelos bandeirantes de Ribeiro da Onça Brava, conforme descrição no segundo livro de guardamoria que se encontra no Arquivo Público Mineiro.

  3. Mas a melhor da região vc não visitou. Fica no município vizinho. Martinho campos. Na próxima oportunidade não deixe de ir. Aguardente Ligurita.fazenda Gurita BR 352 distrito de Ibitira.

Deixe uma resposta para Vandeir Santos Cancelar resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

giay nam depgiay luoi namgiay nam cong sogiay cao got nugiay the thao nu

Devotos em seu e-mail