Inicio / Manoel Agostinho Lima Novo / Tour pelos alambiques parte II – Reserva do Nosco

Tour pelos alambiques parte II – Reserva do Nosco

Por Manoel Agostinho Lima Novo

E vamos seguir viagem…

Senhores passageiros, a próxima parada nesse tour pelos alambiques no meio do caminho entre Rio e São Paulo é Engenheiro Passos, Resende, desembarque por todos os lados.

Na última coluna, comentei sobre a pitoresca Fazenda da Cachoeira, onde se produz a delícia chamada Rochinha. Se não leu ainda, leia aqui.

Agora vamos a uma nova parada.

Estamos na Fazenda Valparaíso, onde o proprietário Marcelo Nordskog produz outra fantástica cachaça, digna de colecionar prêmios, como ele já vem fazendo há tempos. Trata-se da joia que tem escrita no rótulo ‘Reserva do Nosco’.

A Fazenda Valparaíso existe deste de 1830 e foi destaque na época áurea do café, até passar para a família Nordskog, em 1916.

 

Anexo à casa principal, encontramos o alambique, com sua moenda, dornas, destiladores e a cave coberta de barris de carvalho e com um big tanque onde as purinhas descansam até encontrar nossas goelas. Um fato engraçado é que o atual proprietário criou um túmulo de cachaças velhas, uma espécie de tumba subterrânea, onde o visitante levanta uma lápide e encontra no fosso as defuntas – um pouco macabro, mas interessante.

fazenda valparaiso
Fazenda Valparaíso: reminiscências do ciclo do café

O Marcelo, descendente de noruegueses e proprietário,  que se divide como herdeiro produtor de cachaças e outras atividades, assumiu a fazenda em 2005. No local, já se produzia cachaça, mas de forma rudimentar. A primeira alambicada decente do Nordskog foi em 2007, e ele caprichou.

Hoje, encontramos nas prateleiras a pura, que passa apenas pelo tanque de inox,  a  premium de 2 anos e a top extra premium, de 7 anos, ambas no tradicional carvalho.

A fazenda ainda explora plantação de eucalipto e a bubalinocultura  (criação de búfalos).

O turismo alcoólogico continua… próxima parada… próximo artigo… Fazenda Mazzaropi, em Taubaté, onde o nosso conhecido Jeca produzia sua cachaça. Esperem eu chegar lá.

Mais colunas do Agostinho? Leia aqui.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

giay nam depgiay luoi namgiay nam cong sogiay cao got nugiay the thao nu

Devotos em seu e-mail